quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Prenda de natal

"Adorei o sardadelas, adorei os comentários das sardentas e, principalmente, o amor que têm pelas sardas nossas, que às vezes nos causam incómodos. Mudou muito minha visão,
pois descobri o sardadelas numa busca a como acabar com elas e agora resolvi valoriza-las ainda mais"
Paula

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

In love

O que dizer de uma mulher que começou como Pituxa Pastel, no programa da Xuxa, e prossegue a caminhada mediática como uma das sardentas mais lindas do Mundo? Leticia Spiller só nos instiga os carinhos e os abracinhos. Toda a teoria é nefasta para avaliar este anjo, que nos levita a todos ao Céu da contemplação. Estou (estive e estarei) apaixonado

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Curriculada

Audrey Marnay é mais um exemplo que as sardas podem recolher grandes dividendos. Apanhada a barreira dos 30, esta miuda giríssima começou a pousar nas passadeiras e revistas internacionais a meio caminho. Tinha apenas 15 anos quando publicações como a Vogue ou a Elle a recrutaram para as suas páginas. Há cerca de cinco anos, fruto do relacionamento com um produtor, com quem semeou dois filhos, começou a apostar no cinema e já tem mais de um punhado de aparições para o currículo

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Boazinha

Raelee Hill é uma actriz australiana bem firmada nos 30 e quase com os dois pés na barreira psicológica dos "entas". Remunerada a ficcionar nas mais variadas séries australianas (a maioria soap operas de faca e alguidar), Raelee passou por uma experiência peculiar quando ganhou o casting para a série de ficcção científica Farscape, uma joint-venture entre a Austrália e os Estados Unidos. Originalmente, a nossa convidada de hoje integraria o agrupamento de vilãos, mas a produção discordou, por Raelee ter um rosto demasiado bonzinho. Mereceu, por isso, a criação de uma pesonagem propositadamente para encaixar no semblante colorido... e sardento

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Espalmada

Deborah François é uma belga apontada como das maiores promessas do cinema... francês. Era quase como o português/madeirense Cristiano Ronaldo fosse idolatrado no futebol espanhol. Pois... prossigamos. Em 2005 teve uma estreia auspiciosa na sétima arte. O primeiro filme, L'Enfant, mereceu um dos mais apetecidos prémios mundiais, a Palma de Ouro em Cannes. Confirmava-se o talento de uma jovem que, ainda sem 18 anos, ganhava o respectivo casting a outros 150 candidatos. Uma vencedora

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Une Bijou pour nous

Não queriamos ser repetitivos, mas as sardentas teimam em carreiras ecléticas, que costumam arrancar nas passadeiras e desencaminhar-se na sétima arte. Trazemos mais um dos inesgotáveis exeplos desse trajecto. Bijou Phillips é uma actriz norte-americana com o extra de cantar, mas, tal como muitas sardentas, foi recrutada aquando da sua passagem de roupa para cabides. Filha de um dos elementos dos saudosos Mamas & Papas (John Phillips), Bijou ostenta o troféu de continuar a ser a mais jovem modelo a figurar na capa da edição italiana da Vogue. Para quem aprecia, também já exibiu outros dotes na Playboy (mas isso não interessa nada)

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Austerizada

Fruto da actualidade, apresentamos mais uma modelo da debilitada Irlanda. Laura Keohane é assalariada de uma agência a condizer com o impacto da sua imagem, a Storm Models. Não sabemos se esta tempestade de beleza também será forçada a a minguar o vencimento pelas medidas de austeridade, mas desejamos que continue a reunir o suficiente para, pelo menos, três refeições diárias

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Mal perdida

A irlandesa Jennifer Folley é uma jovem modelo que só agora alcançou a maioridade. Desconhecemos o que opina esta sardenta sobre a intervenção do FMI na sua pátria, mas, no momento, deve ainda estar a tentar digerir o recente desaire num dos mais famosos concursos de modelos da Grã-Bretanha. Uma resma de grandes especialistas da área continua a insistir que foi um desaire injustíssimo e que Jenn, para os amigos, é das modelos da nova geração com mais potencial... e sardas

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

(pro)Criadora

Para fechar uma semana atribulada, um gesto bonito da minha parte, para vos embalar a um fim-de-semana mais (im)próprio. Dou-vos a conhecer a ousada norte-americana Amy Virgin. De apelido, mesmo que artístico, de natureza casta, Amy é assalariada da indústria do truca-truca. Por outras palavras, é uma ginasta de diversificada coreografia, que educa os menos instruídos como procriar. A aprender, com toda a atenção e empenho

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Limbidinar

O anfitrião deste espaço sardento pede desculpa a todos os fiéis adeptos das sardentas, mas hoje não há mulheres bonitas, mas a capa do livro que todos devem comprar para usufruir de divertimento garantido. Dois homens que morrem no mesmo dia e que se conhecem no limbo, onde esperam o Céu ou o Inferno. Uma obra que alguém prognosticou que nenhuma mulher comprará e que fará corar Gil Vicente. Só para contrariar, este exercício de ficção mereceu um prefácio da Ana Markl e um posfácio da Joana Amaral Dias. Foi apresentado na última quinta-feira por outra mulher, Ana Sousa Dias

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Melada

Começa por explicar o dicionário que mel, honey na lingua saxónia, é a substância açucarada que as abelhas e outros isectos preparam com suco das flores e que depositam nos alvéolos dos seus favos. Não estará incorrecta a explicação, mas aparenta um excesso de objectividade que não encaixa neste espaço de sonhadores e gourmets da peculiaridade sardenta. Se nos cingirmos ao sentido figurativo de mel estaremos a ser bem mais fiéis aos nossos desígnios. Doçura e suavidade são termos que assentam em Britt Honey, uma jovem modelo norte-americana que vai pousado, de alma despudorada, para as objectivas. De tez alva e, obviamente, sarapintada, Britt é gira que se farta e merecia projecção globalizada. Fazemos o que nos compete e saudamos, com aplminhas, a nossa visita de hoje

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Casadeira

Reese Witherspoon é de famílias com vínculos históricos aos Estados Unidos. Foi John Whiterspoon, um avô do avô de seu avô que rabiscou a rúbrica na declaração de independência da grande federação norte-americana. Oscilando entre a comédia de conteúdo raso e o drama de alguidar, Resse é das megas estrelas das passadeiras vermelhas e já mereceu o tributo do óscar pelo papel de June Cartes Cash, a paciente esposa de Johnny Cash. Gosta de amar e já vai no terceiro esposo

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Agrónoma

Formada na área da agronomia, Rita Calvário tem assento parlamentar na nossa assembleia de representantes. Ocupa uma cadeira da bancada bloquista, num partido que nasceu da súmula de uma esquerda que anda a diluir-se num poder descolorido e desavindo com as ideologias. Há quem tema vincular-se ao idealismo canhoto para não desgravatar os burocratas europeus. Temos, por isso, um Governo quase apartidário, com um irmão desavindo que também não quer ser assim tão à direita para não desperdiçar votos do centro. Não sabemos se a Rita Calvário é dextra ou canhota, mas independentemente do que escreva, ou como escreva, é fiel à sua inclinação e, mais importante que isso, sarapinta a enfadonha política

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Intervencionista

Bonnie Rait sempre se entitulou cantora de intervenção. Desde a década de 70, quando iniciou em bares a relação mais íntima com o microfone, apostou decididamente nos blues, rock, folk e country para fazer pela vida e passar a mensagem. Mesmo assim, só cerca de 20 anos depois se cimentou na indústria norte-americana. Deixou os bares e passou a vencer discos à fartazana. Apesar de nunca ter deixado o cariz político nas letras, uma das criações mais famosas desta espirrada por Deus fala de amor. Oiçam e façam a vossa avaliação

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Beverlina

Hoje acolhemos uma sardenta que tem passado com alguma discrição pela indústria mediática. Kathleen Robertson não é nenhuma estrela cintilante do "show bizz", mas está polvilhada de sardas, o que para nós sobeja de motivo. Actriz canadiana, nunca passou das meias-tintas, erguendo como grande troféu a passagem pelo Beverly Hills 90210. Cinco anos às beijocas a vizinhos e próximos na fina localidade californiana. Para lá disso, pouco mais. Mas, repetimos, é sardenta e gira

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

Bucólica

"Estava a navegar pela internet quando me deparei com este olhar profundo diante desta paisagem bucólica.. vou tentar descobrir a origem!", Bernard Machado. Obrigado Bernard. Sabe bem receber estas pérolas da vossa boa vontade (fico à espera da identificação da bonita sardenta)

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Naturista

Tivesse mais tempo entre o tumulto profissional de um verdadeiro 3x1, já que representa, canta e modela, Hayden Penettiere seria activista do Greenpeace, ou uma das caras da PETA. Como tem de garantir a jorna todos os meses, vai colaborando com algumas associações que lutam contra o extermínio dos golfinhos, baleias e focas-bebés. Tem, por isso, o desagrado e a pouca receptividade do governo japonês, que chegou a manifestar-se ofendido pelas acções ofensivas à cultura nipónica, uma maçada diplomática que merece ilimitados elogios deste nosso estaço sardento

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

"Parecia um ET muito feliz"

Hoje, à conversa com a Liliana, uma sardenta muito orgulhosa (e gira).
- Alguma vez te sentiste descriminada por teres sido "espirrada por Deus"?
Não, nunca... Curioso, eu tenho uma imaginação muito fértil e nunca me tinha vindo à cabeça que fosse um espirro. Mas não só nunca me senti descriminada como ainda acho o máximo ter bolinhas na cara e no corpo.
- As crianças lidam mal ou bem com as sardas? Como era na tua escolinha?
Eu pelo menos não tenho razão de queixa. Adoro sardas desde que me conheço... Claro que os meninos me perguntavam porque é que tinha tantas "borbulhas", que não passavam, Mas eu dizia que eram bolinhas da cor deles. Que eu tinha duas cores e eles só uma. Que tinha muitas bolinhas separadas e eles também muitas, mas todas juntas. A minha mãe ainda hoje se ri quando se lembra disto. Acontecia muitas vezes, porque na escola era a única sardenta, além de ser ruiva, que também dava que falar. Era mesmo "cenourinha". Então parecia um ET muito feliz...
- Já tiveste pacência para contar as sardas que tens?
Lembro-me de tentar contar as de uma mão, mas desisti. Nem saí dos dedos (risos). Mas já fiz melhor: tentei uni-las como naqueles livros com números e pontos... outro fracasso.
- Tens alguma pinta preferida, que te diga mais que as outras? Se sim, qual e porquê?
Tenhooo. Sou muito gulosa e comparo tudo aos doces. Logo, as minhas sardas são cor de caramelo. Mas tenho uma de chocolate no lado esquerdo da testa. Adorooo.
- O que achas das mulheres sardentas que se escondem em cremes para disfarçar a pele sarapintada?
Acho que são umas tontas... Maquilho muita gente por dia devido à minha profissão. Quando vejo alguém com sardas, mesmo antes de lhe perguntar o nome pergunto se gosta de ter sardas. Até hoje, só uma me disse que não e mesmo a essa não lhe pus base. Sou viciada em maquilhagem e no meu 'necessaire' não consta base. Costumo dizer que Deus nos marcou por alguma coisa e elas sorriem.
- Alguma vez recorreste à base para disfarçar?
Quando é alguém a maquilhar-me, tapam, mas eu evito, até porque tenho nos ombros, peito, braços, mãos... não ter na cara fica estranho... por isso esbato sempre.
- Alguma vez te elogiaram as sardas? Podes revelar album piropo que te lembres?
Já, claro (sorriso). Relacionado com as sardas lembro-me de um que era qualquer coisa como: 'oh sardenta, diz-me lá o teu nome se fazes o favor para te pedir ao Pai Natal...'
- Que mensagem deixas a todas as outras sardentas do Mundo?
Ter sardas é o máximo. Está na moda e não é uma colecção que qualquer mulher possa ter.
Liliana

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Bafo

Nascida há 23 anos na pequena cidade de Tucson, no Arizona, Lindsay Nicole foi forçada a uma corajosa aventura solitária rumo a Los Angeles para investir na carreira de modelo. Embora se queixe da pouca procura para sessões (incomoda-nos esta falta de gosto), Lindsay vai juntando o suficiente para ir almoçando umas sandes de tomate. Mas, mesmo com a mingua de trabalho, esta jovem norte-americana sempre vai conseguindo, e passamos a citar, alguns registos de tirar o fôlego. Vamos então... respirar para ver

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Dançar Neruda

Um poema de Pablo Neruda que me define na maioria dos dias e uma musica à qual as minhas sardas mantém o respeito !
A DANÇA
"Não te amo como se fosse rosa de sal, topázio ou flecha de cravos que propagam o fogo: te amo secretamente, entre a sombra e a alma..Te amo como a planta que não floresce e leva dentro de si, oculta, a luz daquelas flores, e graças a teu amor vive escuro em meu corpo o apertado aroma que ascender da terra..Te amo sem saber como, nem quando, nem onde, te amo directamente sem problemas nem orgulho: assim te amo porque não sei amar de outra maneira, . Se não assim deste modo em que não sou nem és tão perto que a tua mão sobre meu peito é minha tão perto que se fecham teus olhos com meu sonho".
Joana Antunes

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

A outra

De alguma forma, Elisa Donovan não é a primeira. Nascida Lisa Adeline, esta actriz nova-iorquina foi forçada a alterar o primeiro nome aquando da inscrição no sindicato dos actores, por já haver uma ficcionista com o mesmo nome. Depois de registada à segunda, esta pré-quarentona tem passado por várias séries nos Estados Unidos, sem grande notoriedade. Ficam as sardas, para registo de maior significado (claro está)

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Um par de talento

Cistina del Basso é famosa em Itália. Por consequência, espalha impacto pelo resto do Mundo, no geral, e entre os apreciadores de registos no formato jpg, no particular. Proprietária de uma silhueta do suspiro "valha-me Deus", Cristina foi uma das maiores figuras (e mamocas) da nona edição do Big Brother italiano. Congelou corações com os seios redondinhos e mereceu um mês no famoso calendário Pirelli. Dizem que foi graças à força de peitos... por mim chegam as pintinhas giras que lhe polvilham o rosto

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Um canto de vidas

Kathryn Calder é uma compositora canadiana que gosta tanto de cantar e tocar que reparte o talento entre duas bandas. Nas duas, os The New Pornographers e Immaculate Machine, dá a voz e os dedos sobre as teclas do piano e do acordeão. Na área Indy, dá entoação à área mais infantil, como podem testemunhar aqui. Usufruam

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Filipirlandesa

Com apenas 21 anos, Bethany Nicole já conta com um portfólio quase inesgotável no seu investimento profissional na modelagem e foto artística. Norte-americana de nasciment0 e oriunda da cidade californiana (com sonoridade de cerveja) Carlsbad, deve a procura do rosto pelas bonitas sardas (obviamente) e a miscelânea genética original da sangue irlandês com filipino

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Abril O'brien mil

April O'Brien é uma norte-americana que tem um problema, como todos os baptizados por um nome do mês. Para esta modelo fotográfica, a personalidade, e o ego, só engrandece, em Abril, ficando camuflada o resto dos 11 meses do ano. Típica cara gira que dá umas (salvo seja) pelo cinema, April (embora estejamos em October) nunca vingou na tela e desconhecemos como consegue ir juntando coroas para comer sopa

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Trigrecca

Gabriella podia ser Turkish, Jewish ou Polish... mas não, preferiu ser Grecco em virtude à associação directa às deusas. Jovem modelo brasileira, a cursar para pivot de televisão, Gabriella é torcedora fanática do Fluminense e dizem que já piscou o olho à nova estrela (em pré-reforma) dos tricolores, o nosso, ou mais ou menos nosso... ou ex-nosso Deco

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Jacky, Jacky

Se falamos do hall de entrada do amor, da descoberta do desregulamento hormonal na adolescência e nas primeiras paixões calientes temos de nos referir a Jacquelie Bisset. Não fui só eu, nem o leitor que partilha da minha geração, a cair de amores por esta inglesa de nome francês, por imposição da francofonia da mãe. Em 1977, a insuspeita Newsweek elegeu Jacqueline uma das mais belas actrizes de todos os tempos. Madrinha de outra miuda super-hiper gira, Angelina Jolie, Jacqueline, hoje quase a meio dos 60's, passa agora os tempos em galas de alcatifas vermelhas, onde ainda consegue polvilhar charme para as objectivas

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Veste-despe

Hoje, em final de semana e na ressaca do Centenário, damos espaço à jovem modelo norte-americana Lilly Jane. Diz que vibra com a ocupação de cabide e apresenta-se como, e passamos a citar, uma "coelha de energia". Mas se pudesse escolher, seguia o caminho da foto artística (aquela área onde se tira a roupa despudoradamente), mas como tem de ganhar a vida, vai pousando para catálogos de roupa (vestida, obviamente)

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Banho(de cultura) turco

Sezen Asku, que anda pelas metades dos 50, é uma cantora popular turca, com projecção interna e carreira a bombar desde 1975. Começou por apostar na actividade agrícola, mas as sementeiras não brotavam e desviou-se para a música. Tem passado praticamente uma vida de casa-e-descasa, mas a meio desse caminho acabou por assumir o apelido de um dos ex-esposos, um geologista letrado da terra, com quem perfilhou o único rebento. Mais um contributo deste espaço para a universalidade das culturas

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Dançar de rir

Ellyn Daniels trabalha para nos fazer rir desta crise de grande austeridade. Esta versão do Bruno Nogueira ou do Nilton, mas muito mais gira, é uma das revelações norte-americanas do humor e, sobretudo, do stand up comedy. Original de Orlando, Ellyn começou cedo a fazer pouco da sociedade. Aos 14 anos já dançava ballet em Paris, mas o público ficou defraudado com um enorme tombo da artista, obrigada a largar a dança clássica. Ficou pela capital francesa a modelar, ocupação que se prolongou até Los Angeles, onde, farta das piruetas, preferiu as risotas. Passou a discursar piadolas para um público em delirio (parte significativa do género masculino) e por ali ficou, até hoje

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Chupeta

Maria da Graça Xuxa Meneghel, ou simplesmente Xuxa (de chupeta), continua a ostentar a coroa de rainha dos baixinhos. Baixinho sem o enfoque à estatura, mas às tenras idades, entenda-se. A passos largos de atingir a fasquia do meio século, Xuxa tem fama entre os miudos e graúdos. E também com os mais veterenos, como é o caso de Pelé, com assinatura na lista de namorados desta artista, que em Portugal foi clonada, com insucesso, pela Kika, que ninguém sabe do paradeiro

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Who is she?

Cresce e polémica na comunidade virtual. Uma holandesa, que se areja para as objectivas fotográficas, continua a ziguezaguear pela real identificação, baralhando a comunidade internética e motivando muitas linhas em fóruns da especialidade. Celina ou Kayla? Ainda ninguem conseguiu discernir, mas deixamos o desafio aos poucos que têm paciência em acompanhar este espaço espacialidade nas sardas. Fica o desafio

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Rainha Powers

Nascida em Varsóvia, e com o nome original Kinga Szpakiewicz, esta figura do "meio da tabela" televisiva emigrou muito cedo para os Estados Unidos. Para facilitar o parco entendimento dos norte-americanos, foi buscar inspiração aos versículos bíblicos para se baptizar com um mais assimilável Kinga Phillips. Entre vários programas temáticos e séries televisivas, Kinga orgulha-se da passagem pelas telas, quando ficcionou a mãe do agente Austin Powers. Continua, porém, a aguardar oportunidades um tudo nada mais sérias

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Foliã

Patty Hurst é uma actriz residente numa espécie de Broadway infantil em São Francisco. John Bisceglie e Kayvon Thompson são os patrões de Patty e os La Féria daquela cidade californiana. Em cena continua o Bisceglie's Follies, uma paródia sobre a história de São Francisco, na qual Patty ficciona uma personagem destravada e com espírito militar pseudo-cívico. A ver, para quem tiver espírito, e fundos, para um salto aos Estados Unidos

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

Big balls

Aurélie Claudele não é formada em fitologia, ciência que estuda o mundo vegetal, mas tem um vínculo indissociável à área. Foi no jardim botânico de Paris, Jardin des Plantes, que um missionário da beleza, vulgo olheiro de moda, a descobriu, com apenas 13 anos. Gostou do convite e, segura da silhueta airosa, deixou os estudos e apostou tudo na área dos "cabides". Deixou o pai a berrar sozinho e hoje é uma das modelos mais requisitadas, e giras. Teve "balls", metaforicamente claro

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

Antes o pão para ela

Andou a "malhar" uns três anos nos Morangos com Açucar do Brasil, interpretando o papel de uma garçonete. A experiência manteve-a no espectáculo televisivo e continua a ocupar o tempo das donas de casa com novelas. Laila Zaid mantém-se ainda numa espécie de segunda liga, mas já faz das novelas (e algumas aparições no cinema) o seu ganha-pão, quando, no início, estudou para vender o pão aos outros (cursada em publicidade)

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Tarde Mia(ste)

Mia Farrow anda por estes dias a merecer atenção por desmentir Naomi Campbell num complexo processo de tráfico de diamantes. Tipo "aquele diamante que ela (Naomi) disse que era pequeníssimo era, afinal, um calhau do tamanho de um menir do Obelix". Esta onomatopeia de gato (ou gata) foi das grandes actrizes das décadas de 60 e 70 (e um bocadinho de 80) e sofreu a originalidade de ser "encornada" pela filha adoptiva na relação que manteve com o cineasta psicopatológico Woody Allen

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Desmanietar

Shannon Lucio lançou a semente da representação em O.C., uma das várias séries norte-americanas que exploram até ao tutano do espectador as crises e vivências dos adolescentes com ganas deadultos. Esta texana ainda não saiu da mediania nas artes do espectáculo, mas pode mostrar no currículo as aparições na famosa série Prision Break, onde representa o papel de uma secretária curvilínea que desmascara o maneta T-Bone

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Nessa Vanessa

Vanessa Le Evigan é uma actriz californiana que continua a circular pelas séries televisivas e o cinema independente. Diz que lhe falta ainda a aposta das grandes produções para dar finalmente o salto que precisa para juntar mais uns dólares e comprar uma vivenda em Los Angeles. Em períodos em que o dinheiro escassa, faz umas escapadas pela música, no agrupamento feminino Nuance, que tem faixas como Hote Like Me ou Wide Open. Os menos atentos diriam que faria bandas sonoras para filmes eróticos


quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Passadarelle

Keltie Martin tem um percurso profissional pouco comum. No lugar da habitual caminhada começar-por-passar-modelos para depois apostar-na-indústria-cinematográfica, Keltie começou a dar nas as primeiras passadas (literalmente) nas pistas de tartan. Foi atleta de alta competição nos 400 metros. Alguém que observava uma corrida desta atleta espadaúda, largou o cronómetros e o bloco de notas e desafiou-a a pousar com vestimentas de criadores. Keltie ponderou e chegou à conclusão que a marcha nas passarelles era menos molesta e desgastante. Perdeu-se uma corredora, ganhou-se uma cara bonita (e sardenta)

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

313

Ruth Wilson é uma actriz inglesa que começou a dar nas vistas naquelas séries da BBC inspiradas em novelas oitocentistas que conjugam (muito) drama, facas e alguidares. Ela era Jane Eyre, uma orfã que ama muito e sofre com o passado. Adiante. Felizmente que largou esta choradeira e rumou aos Estados Unidos, para protagonizar o personagem 313 na série O Prisioneiro, uma grande misturada entre Lost e Quem Matou Laura Palmer, na sua fase mais surrealista. Melhor que os dramalhões, mas continua a fazer dores de cabeça

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Flica-flaca

Hoje fazemos mais uma incursão (respeitosa) na área erótica e da "gimnarte" de mover o corpo em função do gosto próprio. Jayden é uma dessas artistas que executa cambalhotas, e outros movimentos mais bruscos, numa das industrias mais rentáveis do Mundo. Isto porque, muito provavelmente, o Mundo carencia de exercício... para abater as gorduras, obviamente

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Tinha demal, canta + ou -

Axelle Red é nome artístico para acentuar a "ruivez" e camuflar um apelido que pode sugerir calamidades, a saber Fabienne Demal. Para ficar de bem consigo e com o público, Axelle "pintou-se" de vermelho, uma cor com cariz glorioso e campeão. Esta mulher é belga e canta, normalmente factores que não conjugam, mas fica à vossa apreciação. Para mim, nem boa, nem má. Ouve-se, mas uma ou duas vezes.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Seiardas

Sem comentários
(Há sardas que valem por todas as palavras do nosso léxico. O "sem comentários" dá menos trabalho e apura a capacidade de contemplar. Serve também para passar uns bons momentos a contar as sarapintas. Divirtam-se)

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Vertiga

A minha Moura não é minha, assim como que possessivo. A minha Moura é amiga de sempre e uma bondosa pesquisadora na área das sardas. Apresentou-me a Maud, a Maud Wyler, e fiquei fascinado. São estas existências que legitimam a nossa empenhada ode às sarapintadas de todo o Mundo. Maud é francesa, ainda não chegou aos 30 e começou tarde no cinema. O ano passado estreou-se nas telas com Vertige, a história de um grupo de amigos que se mete numa escalada... vertiginosa